quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A COISA ESTÁ FICANDO FEIA

Está surgindo uma onda de intolerância religiosa muito forte. Em Piracicaba (SP), a Câmara Municipal aprovou por unanimidade uma lei que proibia o uso de animais em rituais do Candomblé e da Umbanda. O prefeito vetou. A alegação era o sacrifício que se impunha aos animais. No Rio Grande do Sul, um grupo de evangélicos interpelou profitentes da Umbanda, em momento de seu ritual e saiu até morte. O umbandista matou um dos seguidores da Igreja Deus é Amor. Acredito que o clima de impunidade que arrebenta desde lá de cima, dos que nos dirigem, passando por todos os cantos, chega também aos embates religiosos. Eu me preocupo. Se as autoridaes não tomarem medidas sérias, sem cunho politiqueiro, a coisa vai pegar.

8 comentários:

Fabio Almeida disse...

Talvez nem seja somente a politicagem que esteja criando tal alvoroço nos campos da religiosidade. Talvez os governantes não sejam os exclusivos proliferadores da intolerância religiosa ou qualquer outra do tipo. Talvez o povo a própria população que esteja perdendo a religiosidade, talvez a fé que esteja em baixa para não dizer "morrendo". Os antigos os mais velhos ainda resistem, mas olhemos para os nossos jovens, olhemos para as impunidades de todo canto, se a fé está em baixa logo instala-se o caos nas mentes pensantes do nosso mundo. Talvez isso talvez aquilo, mas o que de fato seria? Não acho justo culpar ou apontar somente para os governantes ou quem quer que seja culpado de algo diante de uma circunstância, talvez, apontar seria para todos no universal, porque o homem é responsável por si e pelo outro, mas ai é que está, quem tem tal consciência com tanta sensatez? Tudo que vier ocorrer no mundo seja algo grande ou pequeno é pertinente pois uma coisa só existe por causa do seu contrário, ou seja o maior antes dele ter sido maior era menor. enfim Medrado, talvez eu tenha dito coisa sem pé nem cabeça, fiquei empolgado. rs Um abraço!

PAZ INTERIOR É A PAZ DE JESUS disse...

GOSTARIA DE FALAR PESSOALMENTE COM VOCÊ, MAS ISSO ME DÁ UM FRIO NA BARRIGA, MAS PELO MENOS NA INTERNET FALAR COM VOCÊ. EU ACHO QUE A ESPIRITUALIDADE ESTÃO TODAS PREOCUPADAS E OS ESPIRITAS PODEM SER PERSEGUIDOS TAMBÉM. UMA VEZ DISSE A UM CRENTE QUE ERA ESPIRITA QUASE QUE ELA SIA NA MÃO COMIGO E DISSE COMO VOC\~E SE DIZ DE JESUS SENDO ESPIRITA? A COISA FICOU FEIA , TEM AMIGOS QUE DEIXARAM DE FALAR COMIGO DEPOIS QUE SOUBE QUE ESTOU FREQUENTANDO O CENTRO ESPIRITA, AMIGOS EVANGELICOS.

Isa disse...

Nossa, que horror!
Realmente a falta de respeito e educação estão passando dos limites, né?
Sinceramente? Nem sei o que dizer...

bruce lee disse...

Se fosse possível garantir que em cada entidade religiosa de matriz africana houvesse o sacrifício sem sofrimento dos animais, sem maus-tratos e destinada seguramente à alimentação, seria menos tormentosa a questão, mas para isto tais entidades religiosas necessitariam obter a competente licença ambiental, assim como é exigido dos estabelecimentos de abate de animais (frigoríficos e matadouros) e sofrerem a constante fiscalização sobre os métodos de sacrifício dos animais, que não poderiam gerar sofrimento. O ideal mesmo é que não haja sacrifício algum, gtarantindo-se o bem-estar dos animais.

Chegará o dia em que não precisaremos sequer mais nos alimentar dos corpos de nossos irmãos do mundo animal. Enquanto esta época não chega, devemos ir evoluindo em direção ao respeito, amor e caridade para com todos os seres vivos, permitindo que cada um viva da melhor maneira possível, sem sofrimento, pois é certo que os animais também sentem dor.

Marcia disse...

Muito triste quando olhamos tudo o que anda acontecendo por aí.
Tenho comigo um exercício diário no sentido de buscar ver o que não está totalmente aparente, pois se perde no turbilhão dos acontecimentos e mesmo no "invizivel" buscar ajudar vibrando positivamente na direção do fato. "Em uma guerra, após o 2° ou 3° tiro se perde a noção de quem é o culpado."
Está na hora de cada um assumir sua contribuição no que está aparente.
Claro que os nossos politicos devem ser nossos protetores e defençores - nós os colocamos lá.
A polícia, exercito, bombeiros, são forças que criamos para socorro quando se perde o controle das coisas. Aí que me pergunto: onde se perdeu o controle disso? como? por que? E uma resposta grita em mim: Tudo se inicia na menor parte! Ou seja: no indivíduo, em nós mesmos. Todos somos responsáveis, mesmo por ignorância ou omissão.
Medito, vibro e logo volto meu olhar para os que estão conseguindo vencer, fazer melhor, diferente... e, sem demagogia, encontro sempre. Um destes casos é a Cidade da Luz e o trabalho que fazem. Sou do sul e me encanto acompanhando o trabalho de todos aí! Se um dia me for possível, adorarei me juntar à equipe.

Crishane disse...

Eu respeito as religiões de origem africana, até porque eu sou de Salvador. Mas, nao concordo em utilizar animais por motivos de sacrificios religiosos, nao concordava com isso nos tempos biblicos quanto mais agora. Como tudo evolui as religiões também precisam passar por remodelações, serem mais humanizadas e menos radicais, e isso passa por pensar que matar um animal não vai ajudar e melhorar a vida de ninguém, pelo contrário, é o mesmo que aceitar que apedrejar mulheres como ainda fazem no Irã seja justo porque é tradição milenar. O mundo se modifica e as mentes também precisam acompanhar isso.

Erivaldo disse...

Boa tarde, gente. O tema levantado pelo amigo Medrado merece análise cuidadosa, posto que versa sobre dois casos distintos. O segundo caso não necessita de muita atenção para se compreender deitar-se em comportamento, verdadeiramente, intolerante, ao passo que o primeiro caso difere totalmente, senao vejamos. Sob a perspectiva juridica, de nada vale o veto do prefeito de piracicaba, porquanto a Lei federal 5197/67, art. 1 e 7, traça proibições de perseguir e matar animais silvestres ou domesticos, ressalvadas as situações legais. Lembremos que, nesse caso, a crença religiosa não serve de "guarda-chuva" para a burla da lei, conforme os termos da Constituição Federal, art. 5, VI e VIII, a qual, ao lado de determinar a garantia da liturgia de qualquer culto religioso, proíbe que esse sirva para que qualquer cidadão se exima de cumprir a lei. Assim, uma vez que a CF-88 e aquela lei federal proíbem matar animais para fins de culto religioso, não se precisa que lei outra (ex.: municipal) exista para ser cumprido tal mandamento. Em outras palavras, no cadomblé, nem em qualquer outra religião, doutrina, culto ou seita, é proibido matar animais, com as ressalvas da lei. Por outro lado, verifica-se que, do ponto de vista dos Espíritos Codificadores do Espiritismo, tal comportamento (de matar animais para servir de holocausto a espíritos) consiste em atitude/atividade abusiva (LE, q. 734), bestial (idem, q. 735) ou superticiosa (idem, 736), o que nos leva a pensar, na inteligencia do LIVRO DOS ESPIRITOS, que, em qualquer religião que se pregue isso – ou igreja, templo, tenda ou centro, ou seja lá o que for – estaremos dialogando, trevosamente, com espíritos em patente desequilíbrio, diga-se de passagem, de igual para igual. ABRAÇOS

Erivaldo disse...

desculpem-me, gente. segue errata, com letra em maiusculo (onde está ("é proibido", substitua por "É PERMITIDO").

---
nem em qualquer outra religião, doutrina, culto ou seita, é PERMITIDO matar animais, com as ressalvas da lei.
---